Os kanjis vieram da China e depois foram adotados pelos japoneses. Devido à maneira como os kanjis foram adotados no Japão, um único kanji pode ser usado para escrever uma ou mais palavras e significados diferentes. A leitura depende do contexto, significado pretendido, em conjunto com outro kanji, e até a localização na frase. Alguns kanjis tem 10 ou mais leituras possíveis. Essas leituras são normalmente categorizadas como “on’yomi” ou “kun’yomi“.

    “On’yomi”  é leitura de origem chinesa. É uma aproximação da pronúncia Chinesa do caractere na época em que ele foi introduzido no Japão. Alguns kanjis foram introduzidos várias vezes em épocas diferentes e a partir de distintas regiões e dialetos da China, por isso temos múltiplos “on’yomi” e às vezes múltiplos significados. A leitura on’yomi ocorre principalmente em palavras compostas de múltiplos kanjis ( jukugo), muitas das quais são o resultado da adoção (juntamente com o próprio kanji) de palavras Chinesas para conceitos que não existiam na língua japonesa da época. Esse processo é comparável ao empréstimo de palavras estrangeiras de origem latina pelo português.

A leitura kun’yomi, ou “leitura nativa”, é baseada na pronúncia de uma palavra originariamente japonesa, que se aproximava do significado do caractere chinês na época em que este foi introduzido. Assim como o on’yomi, pode haver várias leituras kun’yomi para um mesmo kanji, ou até mesmo nenhuma.

    Mas afinal, como identificar a leitura da palavra em kanji é on’yomi ou kun’yomi?

    Caso você não seja um nativo da língua japonesa é quase impossível saber exatamente a forma exata da pronúncia sem conhecer a palavra. Porém, há algumas regras gerais que se aplicam na maioria das palavras, veja abaixo quais são elas:

    Kanjis compostos: Esses compostos são chamados “jukugo”. A principal regra é que quando os kanjis aparecem compostos são normalmente lidos como “on’yomi”. Por exemplo:

    学校 (gakkou) “escola”

    情報 (jouhou) “informação”

    新幹線 (shinkansen) “trem-bala”

    • Kanjis isolados ou juntos com kana (hiragana e katakana) somente, são normalmente lidos usando seu “kun’yomi”. Juntos ao seu okurigana (são kanas que seguem o kanji), caso o possuam, eles normalmente funcionam como um substantivo ou como um verbo ou adjetivo flexionados. Veja:

    • 月 (tsuki) “lua” (substantivo)

    情け (nasake) “simpatia” (substantivo)

    赤い (akai) “vermelho” (adjetivo)

    • Kanjis pelo significado conjunto: Ignora-se as pronúncias “on” e “kun” de cada um deles isoladamente. Veja:

    大人 (otona) “adulto”: A leitura não é “daijin” nem “oohito” das leituras “on” e “kun”.